-->

RESENHA | A Rosa Branca, de Amy Ewing

  Esse foi um daqueles livros que você demora um século para começar a ler, mas depois que começa, não a quem consiga te impedir. Sim, eu li A Rosa Branca em um dia e posso adiantar uma coisa, eu AMEI.
ATENÇÃO: Contém spoilers de A Jóia



Título: A Rosa Branca
Título Original: White Rose
Trilogia: A Cidade Solitária
Autor: Amy Ewing
Editora: Leya
Páginas: 320

Ano: 2016

Sinopse: No livro A Joia, primeiro volume da série “A Cidade Solitária”, Violet Lasting é comprada por uma das mulheres mais poderosas da realeza, a Duquesa do Lago, e vai viver com ela na Joia, o círculo onde mora toda a nobreza. Agora, Violet tem de fugir da Joia, do círculo nobre da Cidade Solitária para salvar a própria vida e a do seu amor, Ash. Junto com seu amado e Raven, sua melhor amiga, Violet tenta se libertar da terrível vida de servidão e crueldade. Só que ninguém disse que deixar a Joia seria fácil, e ela terá que passar por grandes obstáculos. No meio disso tudo, a jovem ainda descobre que há uma revolução sendo planejada contra a realeza e que seu papel nisso é fundamental. É hora de Violet descobrir que é muito mais poderosa do que sempre imaginou! A Rosa Branca é o segundo volume da trilogia “A Cidade Solitária” e traz novas e incríveis reviravoltas. Será impossível não ficar ansioso pelo último livro da saga.

O segundo livro começa do exato momento onde parou o primeiro, narrando a tentativa de fuga de Violet, sua melhor amiga Raven e seu amor, Ash. Juntos eles irão se aventurar pelos lugares da Cidade Solitária, alem de fazerem o máximo para conseguir se manter vivos. Aqui eles vão descobrir mais sobre os segredos que os cercos, além de irem um busca de um lugar seguro, conhecido como A Rosa Branca.
“Escolher o que eu quero: escolher é liberdade, Violet.”
 No primeiro livro, conhecemos os personagens principais e ficamos sabendo como funciona a organização da Cidade Solitária, alem de também dar o ponta pé inicial na revolução. Porem, é nesse segundo livro que podemos conhecer a história da Ilha, além de descobrirmos segredos sobre as substitutas e sobre a própria realeza, vendo outro lado da história.
“Substitutas não são meninas bobas que podem ser compradas e vendidas, tratadas como animais de estimação ou peças da mobília. Somos uma força a ser reconhecida e respeitada.”
 Assim como os Best Sellers mais famosos, a trilogia A Cidade Solitária tem o romance como um “foco” principal, porém ao mesmo tempo ele não protagoniza a história. A autora não conseguiu apenas resgatar a essência clichê que tanto amamos, como também não deixou isso ofuscar o resto da historia, ou seja, o romance entre Violet e Ash não atrapalhou em nada o enredo, nem ficou como o casal meloso.
“Meus pulmões se expandem e o peso de tudo me oprime. Uma torrente de lágrimas transborda dos meus olhos quando escondo o rosto em seu peito. O motor do carro é ligado, e sinto a vibração percorrendo meu corpo. Ouço os ruídos abafados da porta da garagem abrindo e fechando, e depois sou jogada contra Ash quando Garnet põe o carro em movimento.”
Diferente da maioria das distopias que conhecemos, Amy não deixou todo o mistério sobre o governo para ser contado no ultimo livro, assim nos deixando ansiosos apenas para lermos a conclusão da história, e conseguirmos saber qual foi o destino dos nossos tão amados (ou não) personagens.
“Não somos a última moda, nem o prêmio mais caro. Somos gente. E vou colaborar para que eles entendam isso.”
 Se você é fã de A Seleção e de A Rainha Vermelha, eu te recomendo com toda a certeza para que leia essa trilogia. Ela mistura os temas de ambos os livros, toda via, também trás algo novo e diferente para o universo literário. A distopia aqui é tratada como o tema principal, não trazendo tantos mistérios, porém também não sendo tão revelador.

 Com toda a certeza posso dizer que virei uma fã da Amy, e aguardo ansiosamente o lançamento do terceiro e ultimo livro da trilogia para o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião, adoro ler os comentários de vocês ❤

© Rabiscando Histórias - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo